Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2011
Havemos de voltar ao que fomos, pássaros. Aproveito uma longa viagem de carro para colocar alguns devaneios em dia, jogar scrable com as nuvens é um deles. Alinho nuvens, primeiro por cores, depois por formatos e acabo por ter um mosaico retalhado que fica muito bem até o vento, aquele desajeitado, vir espreitar e me baralhar tudo. Não adianta ficar chateado com ele, com aquela cara de desalinhado, num misto de vergonha e confusão, é impossível ficar de candeiras às avessas. A estrada vai gemendo debaixo do carro, range aqui e ali enquanto os pneus, enroladitos neles mesmos, vão desafiando o tempo de chegada previsto com o tempo que eles pensam conseguir fazer. Acabo de subir a Serra dos Candeeiros, já com a cabeça bem longe das nuvens, quando vejo a surpresa que me prepararam. Um longo tapete, uma estrada no céu, feita por nuvens, grandes e pequenas, com todas as cores distintas existentes no espectro do cinzento, laranja, rosa, branco, preto e um je ne sais quoi de lilás. É um
A chuva... Ah, a chuva, a bater nas persianas, a deixar-se cair do telhado do alpendre para as poças. Ah, a chuva e todas as memórias... Chover é como viver, só se saboreia depois de se provar.
Há uma profunda solidão nos olhares dos que se abandonam, sem nunca saberem que o vazio é o todo cheio de nada... There's a slow train coming...