Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2021

Abraço

Imagem
"Abraço" ou a crónica inevitável no Correio do Porto, para ler na minha secção "Crónicas do Nada", clique aqui . Sou arrancado do estado de hipnapompia, quando tento reter o que a noite me quis dizer, pelo toque ritmado do telemóvel.  Um amigo, quando nos contacta a horas matutinas, principalmente quando muitos de nós já atravessamos as horas vespertinas de uma existência terrena, só pode significar um abjecto motivo (para fugir à palavra triste). A serenidade na voz, entrecortada com as falhas típicas da emoção a enrolar-se entre o que as cordas vocais vibram e o coração, descompassado, a tremer de sentimento. Acredito que nestas situações, o cardíaco queira morar fora de nós, na gravidade típica de um plano que não nos deixa volitar de encontro ao que ascendeu. “O meu pai partiu”, ouvi. Por momentos nada me sai do peito. Valha-nos a fala como percursora de uma telepatia que acompanha crianças adultas a quem basta um olhar para reviver a inocente alegria. Não há mu
Tragam as castas, o mosto colhe-se perene ao fundo de cada sonho, tenho Torga às candeias da escuridão que me alumia.  Ah, a vida, que bela seria.