Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2012
Segados até aos estrepes os amanhãs preocupam-se com as indumentárias dos lírios, Salomão vai nu! dizem os pássaros, sem auscultarem o grande imenso sol que nebulou emergem entre lótus sem saberem que o futuro traz um tempo que há muito acabou.
Encurralado pelo sonho deixo-me escorrer languidamente pela chuva molhando as pontas do arco-íris enquanto ao postigo me ponho, a paisagem muda, apenas os salpicos das pessoas falam comigo, as almas sacodem-se dos corpos, dois vagabundos pedem a sorrir mais dois copos e brindam à vida, deles, que levam entre leis eles que de vidas contam já seis, fazem desta desregrada a número sete, eles sim, sabem, que é no frio que o corpo não arrefece.
Salva dos alicerces, a história liberta-se do encontro com o esquecimento e ascende à memória, ao abraço firme de um momento, aos fóruns já adultos onde, criança, nasces.
Escrevo para não me esquecer de mim,  para voltar à voz,  a nós,  de quem me separei por nascer  aqui, individual, eu mesmo,  ao que vim.
É no ondular ritmado da luz que a vela se projecta no chão, eu de quem me perco e a mim conduz saúdo a noite do alto do universo que tenho a descansar na minha mão.
Entre o hoje e o agora, és livre para te libertares. Ninguém é mais, nem menos, do que aquilo que é.
Quem sabe, um dia, elevados a onde saímos, seremos expoente de uma base quase esquecida, que não se itera, apenas propaga tão rapidamente que, sem o saber, estaremos em todo o lado ao mesmo tempo. Omnipresença.
Começo a olhar para aquele horizonte ondulado, ponteado de verdes e agrestes fragas que me lembram a face escanhoada de um velho pastor, com um misto de saudade e aventura, como se me chamasse o interior para viver vendo apenas o Sol deixar-se adormecer atrás dos montes, projectando sombras de ruínas que serão um dia a civilização.
Lentamente, sem que te apercebas, colocam-te a corda, laça, vão puxando, cada vez mais, sempre devagar, para que não fujas, lentamente, até começar, gradualmente, a tirar-te a respiração, mas tu habituas-te, respiras menos, devagar, até novo puxão, menos ar, mais sangue e, um dia, quando pensares que não podes respirar menos e mais devagar, eles aproximar-se-ão de ti, com um sorriso acima do seu pescoço engravatado numa boca conspurcada, e quando pensas que te vão abraçar eles, simplesmente, do alto do seu sorriso sarcástico, chutam o banco que tens debaixo dos pés e morres, enforcado, para que eles possam tirar a corda, lavar e usar novamente noutros, daqui a anos ou séculos, que o tempo pouco passa para os déspotas.
Troco todas as minhas latitudes pelas searas, já secas, a ondular e eu, absorto, a deixar-me secar pelo ondulado restolho enquanto vejo a natureza, incauta, nascer dia após dia em todas as longitudes.
Enquanto as lides do mundo se atarefam em domesticar o lixo, eu tento construir uma cabana com tecto de estrelas onde possa sonhar vigilante as vezes que bem desejar.