2015-09-04

Gaiarro-me na falta de minotauros. A justiça comenta para com a ignorância "havemos de deixar cair a venda", mas não passam de surtos e, por isso, efémeros lampejantes no final de uma tarde que se quer encostada à noite que por aí surge. 
Tudo urge.
O mundo, as pessoas, o tempo, o inumano.
A porta mantém-se aberta para as nuvens que ameaçam protelar o infinito de um trovão sem relâmpago, talvez seja este ribombar o despertar afoito de quem se adormece enquanto acorda, um pouco como as nuvens negras, eternas parideiras de um aguaceiro que teima esparramar olhos fora.
Se não pessoas, quem seremos agora?

Sem comentários: