2013-06-13

E sorriu, por cima da tristeza e das manhãs que se molham mesmo sem orvalhar. Os anos medem-se pelos cigarros que treparam pelos dedos, o arfar ritmado é já batimento de um coração que de tão grande vive fora de si. Não haverá enxada ou ancinho que lhe conheça os calos de cor, nem um sol a pico que lhe veja a sombra. O homem é cajado de si mesmo e busca lá no fundo pelo gargalo, em forma de goteira, o rio que o há-de levar a ribombar pelas margens até chegar ao fim da foz e perceber que o mar é toda a gotícula que nasceu do céu, apenas para orvalhar.

Sem comentários: