2013-02-05


Alegrava-se
de mãos a abanar
a pobreza que encontrava numa esquina rombuda,
sentado, o cansaço, esmorecia de tão vil existência
por um leito cheio de sonhos
e um olhar prenhe da última palavra aguda,
enquanto resmungava esfomeada a avareza
"não quero cá alegrias à minha mesa!"

Sem comentários: