2017-07-03

De um reflexo
trazendo-me pela mão os sonhos 
em vão
as paredes alvas descem do céu
ao chão,
o calor abafa-me a noite fria no afago
e murmuro sem auscultar ou conhecer 
este eu que pela mão trago.

Sem comentários: