2010-08-30

L'ar do celar

A casa que me habita vai ao encontro de um alpendre, veste-se de negro e paisagem, nos cumes aguçados do que chamam pastagem. Ser de lá e daqui, de onde estou e onde fui, é viver enquanto me adormeço, nos locais onde não morei, na casa onde não estou, é abraçar o mundo e encontrar, no regresso, as minhas mãos... nas minhas costas.

Sem comentários: