2005-11-28

Brando e benevolente

À sombra do manto espesso
e branco
que a neblina suspirou,
não esqueço,
esse olhar brando e benevolente
das memórias, finas e ténues,
que pintaram as paredes de felicidade
ali,
a meio da presente
saudade…

Sem comentários: