2005-05-23

O cultivo da amizade

Não sabia, nem sei, o que escrever. Lembrei-me de falar sobre o serenismo o que é (ou será), mas depois de hoje apenas me apetece escrever sobre a amizade.
Fico triste, ou talvez não saiba ainda o que sinto, quando se cultiva a amizade, pouco a pouco e, no entanto, chega uma altura em que as pessoas se separam. É tão difícil encontrar pessoas com afinidades, pessoas que são amigos ainda antes de o serem, são de outros tempos, nasce-se amigo sem se conhecer os amigos e, passados uns tempos, encontramos. 
Serenismo será não ficar triste? Serenismo deve ser compreender e louvar a nós mesmos o termos encontrado algo mais de nós nos outros e, no final, não nos podemos sentir vazios ou sós, pois somos, inevitavelmente, um pouco mais do que éramos antes de conhecermos os amigos. Somos nós, também, mais um pouco da outra pessoa...
Fico feliz por conhecer pessoas espectaculares e isto vai contrapondo-se ao vazio ou "medo" de não encontrar as pessoas novamente. Se as encontrei agora, neste momento, certamente as reencontrarei noutros momentos, é, pelo menos, o meu mais profundo desejo.
Poderia começar a divagar sobre as realidades paralelas, sobre os conhecer de outras "vidas", de os vir a reencontrar novamente, de "isto" ser passageiro e a nossa existência ser, então, algo mais vivencial. Será apenas uma experiência? Se for, os amigos e os momentos felizes, são janelas que se abrem para visualizar o mais que existe? E se eu escrever mais, irão internar-me?
Vinha no carro a pensar em milhentas coisas para escrever e, no entanto, fico sempre parado a olhar para o monitor, teclado no colo, a pensar novamente em mais milhentas coisas para escrever e não o fazer.
Por agora é tudo. 
É tarde, tenho sono e amanhã é dia de trabalho.
Àqueles que são meus amigos sinceros obrigado...

2 comentários:

apouca disse...

Sabes, eu acredito que quantos mais amigos, ou pessoas com afinidades, se vão encontrando, mais possibilidades ainda se vão tendo de encontrar mais e mais.

Sim, são janelas, que se vão abrindo umas nas outras, e, quantas mais se abrem, mais há ainda para abrir!

Se nunca encontrasses nenhum amigo, nenhuma pessoa com essas afinidades, menos, bem menos, eram as tuas possibilidades de as vir a encontrar mais à frente... é como um circulo vicioso. Entrando nele... já não se pára mais.

tibeu disse...

OLá
Boa noite Miguel, nome lindo, hoje vim comentar neste post bem no inicio do blog, gosto de ir lendo os primeiros post, mania secalhar, mas... gosto, escrita simple e que me agradou. Obrigada pelo teu comentário volta sempre ao cantinho da tibeu, um bom Natal para ti que o menino Jesus traga o que mais desejares, oenso que se for saúde já muito bom. bj gr.