2016-10-16

Cãesjos

Crónica de 16/10/2016 na Bird Magazine.

Os braços arderam, secou-se a seiva que pendia dos dedos de quem nasce verde e morre cinzento, inglório.
A cinza agrilhoa-se aos olhos, não há urgência que se torne neblina, apenas se calam os murmúrios e os chilreados trinidos de quem vive num sopro.
Os estrepes forçados de umas quantas armações de vida sobram de uma noite que se faz dia, de um nascer forçado do Sol embraseado que outros chamam Lua.
Os meus pés afundam-se no escuro, os passos que não dei deixaram pegadas à frente da minha sombra, porque, simplesmente, o horizonte que se estendia tombou e desistiu de ser verde.
Há uma sombra negra na estrada que obriga a longa e desajeitada fila dominical de condutores e suas extensões motoras serpentear. Um cão jaz na beira da estrada. Grande. Negro. Fusco.
A cabeça encostada a um pequeno e inclinado bloco de betão, como se dormisse.
Amedrontado, confuso, pensando o que os cães pensam, um outro, do lado de lá do bloco, fita-o, com as patas dianteiras pousadas no betão. E já em pé, maior ainda, menos preto fusco e mais negro brilhante, confuso e amedrontado, sendo o que os cães são, olha para o seu próprio corpo e, depois, para mim que calhei, coisas do destino, de passar ali naquele exacto momento.
Num olhar cruzam-se, sempre, pessoas e por vezes, como agora, animais.
Ali, naquela fracção de segundo, ele saltou-me para o colo e eu trouxe-o para longe da sombra que foi. Intermitente, surge e desaparece do banco do carro, ele próprio confuso, eu rindo-me.
Páro o carro. A estrada continua a passar por mim. Abro a porta, mas já ele a tinha atravessado.
Olha para mim, olhando com os cães olham.
Há um latir, surdo, que vai batendo à porta da noite como se vento se tratasse. Vai surripiando arrepios às sombras que se amedrontam com o emaranhado de emoções que as árvores coscuvilham.
Habituei-me a ouvi-los, primeiro longe, depois abrindo-lhes a porta e deixando-os falar o que lhes vai na alma. Primeiro olham em redor e, quando se apercebem que mais ninguém os fita, perdem o ar bonacheirão para se sentarem cavalheirescamente e começarem a contar histórias de patas nuas nas calçadas, sorvidelas de águas em fontanários e a inexplicável tentação de correr atrás da própria cauda.
Outro latido, grave, ergue as orelhas, olha-me e ali, longe do que ambos somos, desata a correr pelo monte acima, desaparecendo no preciso momento em que começou a chover e era como se as gotas de chuva lhe turvassem aquela pintura brilhante, para o tornar transparente, lentamente, totalmente, até ser aquilo que nasceu para ser, chuva.
Acho que os cães são como os anjos, transparentes ao olhar opaco que possuímos e lamento o prévio desalento dele, que me confidenciava em desabafo, nunca terem conseguido domesticar-nos porque não sabemos chover.

- É chuva senhor.
- Isto?
- Sim, senhor.
- Mas cai assim, sem mais nem menos?
- Sim, senhor.
- E porque me faz sentir assim?
- Porque é a chuva, senhor.

Sem comentários: