2016-10-23

Balada da voz lengalengada

Crónica na Bird Magazine em 23/10/2016.

Os gatos, pequenitos, enrolam-se uns aos outros no meio da erva verde, enquanto os mais afoitos cedem ao medo do desconhecido ronronar deste animal grande, negro, que segue de motor enfurecido com os pneus a baterem furiosamente nos paralelos cinzentos, e se esgueiram de encontro aos irmãos que semicerram o olhar felino, inocente, como o acordar matutino da mente.
De repente a própria erva parece, além de húmida e fumegante pelos raios inclinados do finado Verão, parda e salpicada com tons de branco, laranja, castanho, preto, pantufas dobradas sobre o corpo, bigodes, pequenos narizes cor-de-rosa e olhos esbugalhados de espanto.
A erva, essa, não se assusta nem quando apelidada de daninha e, assim, ao corpo arrancada, segue compenetrada, em foto-síntese atenta no namoro pendular entre o que se inspira e expira.
As casas, velhas, são vistas do alto como se pendessem sempre sobre uma encosta invisível, mas tangível, como o são todos os esquecimentos.
Os telhados, as paredes, as pedras emparedadas, as viúvas que permanecem casadas.
O fontanário escorre água num lacrimal choro de saudade mineralizada, a saudade do fumeiro esvaído em prateleiras de néon, há todo um manancial de superficialidades para vender a quem se pensa ser o que pode vir a ter.
Há um avental que ondula no caminho, vai preso ao pescoço que se enruga sozinho, porque o tempo é implacável para quem não sabe falar.
Implacabilidade é para quem se fala por que não vocaliza os pensamentos que ascendem directamente do soçobrar ao infinito e, chegado lá, se descobre em encruzilhada porque do menos ao mais se entras nos escombros do que não perece, de lá nunca mais sais.
Ondulam agarradas a umas pernas esbranquiças umas calças com fuligem, uns pés sem meias nuns sapatos desapertados que bailam para a frente e para trás a cada passo, a casa passo.
Um acenar lento e tímido quando agradece a cedência de passagem na cadência da passadeira e os idosos que se acotovelam com cuidado junto à grade que separa a actividade quotidiana da actividade laboral dos funcionários que, de pá e pica sobejam à terra que se deixa perfurar mais por desdém do que por necessidade, a terra clama-os já com saudade.
Se soubesse pensar, a fuligem deixaria de questionar, teria o homem forjado algum ferro endurecido, como as mãos do que é esquecido, ou seriam sobras de uma vida que o forjou a ele mesmo e a uma sombra desaparecida, um pouco mais de carne, um pouco mais do medo, um pouco de desmame da saciedade do segredo.
Vejo o som do Sol após a chuva, a neutralidade positiva da vida sua, a paisagem queimada mais pelos olhos indiferentes do que pelas labaredas carentes do fogo fajuto atiçado por homem que, certamente, nunca foi puto.
E quem se sabe puto, nunca mais quererá ser homem.
Ouço o vergasto indiferente de alguém queimado pelo álcool, quase demente.
O arrastar da ramagem seca pelo que o alpendre não cobre, a felicidade de se ser pobre, os chinelos de dedo, calções e pés molhados no rego para a água escoar, do riso ao chorar.
Há que dar passagem à água mole, que se escorra e aflija na entrada de outrem que não a minha, coitada, que cai já triste e molhada.
Findo no vento que toca a cara, sei que o universo é fonte que jorra e não para, mas quem se quer a ser voz, porque a rotação de um planeta faz calar a voz, a vida cai inanimada sem dó, ao colo de quem sabe que o universo foi bocejo de um Deus só.

Sem comentários: