2016-01-30

Olha do que dormes
infante
sem saberes do redomizado acto
agora que se acomete
infame
o arbitrário destino,
onde regarás as palavras
se a boca secou
qual
a noite que te parou?

Sem comentários: