2015-09-29

Do meu caminho, só meu, vejo passar por mim todas as paisagens que um dia pintei na carteira da escola, ao som abafado do lápis sobre a madeira enrugada. 
O papel, alvo, sai-me das mãos como se todo o menos que me veste sobejasse em encadernações que carrego no braçado. 
Hoje espero que chova e não, não estarei abrigado.

Sem comentários: