2015-07-07

Começo a degustar a pálida timidez de tudo o que me chove, gosto da aridez das palavras que ouço, permitem-me camuflar o silêncio e apreciar ainda mais os valorosos momentos em que me despeço das despedidas e as deixo serenas, em paz, à espera de um outro capataz. Os dias parecem querer ocupar duas rotações de uma só vez e, talvez por isso, os anos pareçam encurtarem-se à medida que nos aproximamos da distância que nos separe de nós a nós mesmos. Assim, oh clemência divina, que não creio em acreditar, voto-me à simplicidade da pobreza para sentir que envolta no silêncio é onde mora a riqueza.

Sem comentários: