2015-07-03

Peregrino de passo travado, na tarde onde suam as planícies, que olhar esvoaça dos teus cabelos, que silêncio te prega ao infinito?

Sem comentários: