2014-08-23

Pagaria, caso as nuvens fossem dinheiro, o que fosse necessário para ter sempre a refracção das gotículas de água num dia de sol tímido.
Engano o torpor de uma viragem na estrada com a promessa de ser, novamente, o som abafado da surpresa de uma criança a ver pela primeira vez a influência de um sorriso.
Tenho gasto as horas, talvez por isso o tempo ranja quando passa perto de um sentimento e o vento se faz ao caminho, na maior parte das vezes sózinho, para se sentar no colo de alguém que o embale, até ele se recordar daquilo que realmente vale.
Deitado, a noite subiu já até ao meu peito, preparando-se para me cubrir.
Agora sim, é hora de dormir.

Sem comentários: