2014-05-20

Aguardo a alvorada de um amanhecer sem claridade,
deixar acordada a noite sem esmaecer madrugada adentro,
aguardo na certeza de envelhecer sem idade
e ombrear com o destino como quem enfrenta o vento,
aguardo a visibilidade da invisível mão que guia as palavras,
do inefável suspiro que me acorda pela manhã
ainda antes de clarear
as letras, alvas,
e a dualidade de um existir que não há,
anseio passivamente enquanto corro pelo destino
eu, adulto menino,
entregue ao ilegal sistema de uma só lei,
porque de mim, eu não hei.

Sem comentários: