2014-04-14

Lábios

Pela preciosidade do artesão se valoriza o labor de um par de mãos. Que dinheiro pagará o pôr-do-sol aos olhos e outros sentidos que dedicam um milionésimo de disparidade temporal a contemplar o inefável? Haverá quem pague com a vida a própria Vida?

Sem comentários: