2013-12-14

Para as memórias do vivido, do não vivido, das cataratas de sonhos que caem nas profundezas da água que me banha os dedos dos pés e as minhas calças molhadas pelo caminho lamacento. Ondular sem mover o corpo, ao sabor do vento e da música, de todos os abraços calibrados pela distância entre dois corpos. Chovem raios de sol.

Sem comentários: