2013-09-24

Diluo-me pelo teu esquecimento,
o nada da minha memória é, agora, o orvalho das minhas manhãs,
não teria já palavras
ou índices
que assinalassem algumas esperanças vãs,
já nem o barulho, nada, apenas pó
e cimento.
Vou descansar, descansado,
sem corpos
nem velório em catadupa derramado,
o rio corre por entre rostos
e em soluços gente no peito,
esta vida tem caudal,
mas já não tem leito.

Sem comentários: