2013-06-05

Cabem, entre duas mãos, infinidades de orações,
não pelas caladas cantilenas
e pregões,
mas por cada aceno que uma alma dá
em forma de adeus
entre universos que o mundo teima dizer: não há,
mas não sabe ele,
mundo,
que os universos que falo são meus?

Sem comentários: