2012-10-29

Fascina-me o cheiro húmido de um fogareiro que vai estalando castanhas, o olhar semicerrado do vendedor, cigarro ao canto da boca, chapéu gasto de histórias por contar, o fumo que se acumula sob a tenda improvisada. 
Ou o passear improvisado ao final da tarde, por vegetação rasteira que se sabe pequena e não quer crescer, ladeado pelo Sol que se esconde e a Lua que ascende, o céu laranja a fugir de tom até um azul escuro. Nunca pensei que todo um dia coubesse numa fracção de segundo. 
Ou, ainda, uma carrinha velha, de caixa aberta, carregada de lenha, batatas, castanhas e verduras, coisas que a terra dá, conduzida por um homem, Homem, velho, gasto, que sorri quando o ultrapasso e olho para ver quem tão devagar conduz. 
E eu, que perco a vontade de lutar ao ver, desnuda, a simplicidade. 
A trindade. 
Santíssima.

Sem comentários: