2012-06-30

Não é pela noite, mas pelo adormecer que se seguem, nas palavras, as cordas que se arrastam pelo cais enquanto amaro, sem amaras, ao porto que me viu nascer.

Sem comentários: