2011-03-15

O bailado que se desprende das árvores
tem na orvalhada manhã o tempo,
no sulcado sucalco nublado
o frágil suporte da vida
em que me sento,
do futuro teço a breve memória
em dias vividos num outro eu.

Sem comentários: