2005-09-06

De quem não conheci

Invoco a saudade da face de quem não conheci
na presença da sombra,
saboreio a ausência de um sorriso que não vivi,
a mescla de emoções no vazio da noite
entre vagas de ondas, serenas,
e bandeiras desfraldadas num barco de velas amenas.

Os passos que graduam o quotidiano inexistente
vagueiam entre fronteiras
reais,
imaginárias,
no ondular pacato da imaginação
entre veredas de olhares
que não vislumbrando o invisível
rasgam a despedida que precede a solidão.

Sem comentários: