2005-08-03

Nuvem escura

Gosto de ti…

Quando vens de mansinho,
arrastando contigo o soar dos trovões,
a luz irrompe no dia
e salpica de estrelas a noite,
atinge-me com a candura do abandono
o primeiro voo do pardal fora do ninho.

Gosto de ti…

Trazes no regaço uma promessa,
o cheiro a terra molhada acorda-me,
é ainda uma miragem e eu peço-te:
Vem depressa!

Ó minha nuvem escura,
preta de água,
prenhe de temporal, onde relâmpagos anunciam o Inverno
ou o súbito marejar e a fuga dos grilos à toca,
Que se calem os homens!

O próprio Sol esmaece e as árvores curvam-se a ti,
Rainha,
que nem toda a Natureza atinge a graciosidade que tens.

Vejo-te chegar e tu,
ainda antes de me vislumbrares,
trazes o analgésico para este dia sufocante,
não sabendo que és a caneta no poema,
choves,
mas eu gosto de ti.,,

Possuis a calma que nunca vi,
trazes-me à memória pequenos riscos,
traços que surgem no papel ou na mente
como as gotas que caem no chão levantando
gloriosas
pequenas nuvens de poeiras
ou soltando na atmosfera o odor,
aroma,
sabor de chuva no Verão.
recebo-te de lágrimas a sorrir,
braços abertos, nu, sozinho numa estrada,
adormecido, sem eira nem beira,
gosto de ti!!!

Minha nuvem escura,
meu bater de asas, gotejar na caleira,
o som que pede licença aos sentidos
e, perante tanta inquietação,
olha para mim e sorri.

Fecha-me os dedos na caneta,
Que seria de mim sem ti!

Há quem te chame inspiração…

Sem comentários: